quarta-feira, 16 de setembro de 2009

O período JK - Breve comentário


Ao observar o período do governo de Kubitschek notamos que foi de grande contribuição para o estado brasileiro. Foi determinado por implementar suas metas e conduzir as políticas externas e internas com uma habilidade, devido seu estilo negociador.


O período de JK foi um momento de continuidade, assim viabilizando o Plano de Metas. Com isso temos o foco em um projeto de desenvolvimento baseado na consolidação da infra-estrutura. Sem esquecer que assim seguia os projetos sugeridos peça Comissão Mista Brasil Estados Unidos. Surge assim o BNDE, do Itamarati e d Sumoc.


São vários exemplos mostram a continuidade dos governos, uma delas o créditos referentes aos projetos CMBEU aprovado na era Vargas, passaram a ser viabilizados.

Ao observar o governo de Kubitschek, observamos que ao fazer uma análise das políticas econômicas, podemos obter várias faces deste governo. O êxito pode considerar uma face importante já que ocorreu a implementação de quase na sua totalidade o plano de metas. As estratégias voltadas a indústria viabilizaram e criaram espaços decisórios setoriais que agilizaram a realização das metas. Mas tivemos algumas áreas que foram renegadas ao segundo plano. Sempre perdiam para as metas principais do governo. Entre essas áreas temos: exportações, a inflação, o déficit de pagamentos, e o endividamento externo.


Podemos concluir que a conjuntura internacional constituiu o fundo das políticas implementadas entre 1956 – 60, mas este não é o único fator. Que explicaria o crescimento neste momento. Essa era foi de grande crescimento baseado no financiamento do Estado. Aprofundando o déficit público e a dinâmica interna gerada pela inflação, que penalizou o assalariado e alocou parte do lucro das empresas.


Observamos que no governo de JK foi um ato contrario ao que o FMI dizia. Ao contrario da política sugerida que seria de desacelerar a economia. O governo brasileiro irá suavizar a participação da conjuntura externa se quiséssemos a participação das classes sócias na formulação e na implementação das políticas na área econômica. Dessa forma temos que o estado não perde os méritos da sua participação nesta investida de construção industrial brasileira.
Juscelino mudou a estrutura do Brasil e conseguiu transformar diversas áreas do Brasil. E ainda em diversos pontos, agricultura, indústrias até mesmo o de bens de capitais. Temos que um dos seus maiores legados foram não só o crescimento, mas, sim a construção da democracia.


Gostou? Que tal valorizar nosso trabalho?