terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Delfim detecta interesse externo em Belo Monte


Autor: Frederico Bacic
Fonte: www.economidiando.blogspot.com



Por todo o país, há debate sobre Belo Monte. A “maioria silenciosa” – a maior parcela da sociedade, que não tem tempo para cuidar de questões mais amplas, e em geral só se manifesta quando se vê muito agredida pela minoria ativa – começa a reagir. Entidades com sede em outros países, como WWF e Greenpeace, estão a todo pano, contando com apoio de gente que brilha na mídia, mas não tem bons argumentos. No mundo, as maiores fontes de energia são poluidoras e não renováveis: óleo, gás e carvão. No Brasil e em poucos países, tem-se a dádiva da fonte hidráulica: renovável, barata e não poluente.

Há dias, veio a público que as contas de energia seriam oneradas pelo apoio à fonte eólica – e igualmente a base solar precisa de subsídio. Um dia, vento e sol e talvez o ar – hidrogênio – poderão ser fonte limpa e viável, mas isso ainda não ocorre. Como todos – sejam ecologistas ou desenvolvimentistas – precisam de energia para as tarefas do dia a dia, cada país tem de tomar sua decisão. A China usa o carvão, a França, o átomo, e os Estados Unidos lutam para sair da dependência do petróleo – e, recentemente, descobriram um “pré-sal” de gás em seu território. Certamente vão usar o gás, queiram ou não grupos ecológicos de lá.

Delfim Netto não é um santo. Como czar da economia foi acusado até de mexer em índices de inflação. Mas, em artigo publicado em Carta Capital, ele creditou a atual campanha a interesses estrangeiros. Após citar que a água pode valer mais que ouro e petróleo, Delfim afirma que, respeitando o ambiente e as populações locais – inclusive indígenas – o país não pode deixar de aproveitar seus rios. Declara: “A conclusão, óbvia, é que pretendem mostrar que a Amazônia precisa ser internacionalizada, para evitar que utilizemos os cursos de água daquela bacia hidrográfica para produzir energia e proporcionar o desenvolvimento daquela região em nosso benefício exclusivo”.

E acrescentou: “Tivemos a demonstração de como a pregação, mesmo infantil, pode influenciar burocratas mal informados de organismos internacionais: uma obscura e inoperante comissão de direitos humanos da OEA alinhou-se às teses de outras tantas obscuras ONGs, pedindo a suspensão da construção da usina de Belo Monte, no Rio Xingu”.

E conclui Delfim: “O que as ONGs (de longa data), agora apoiadas pela sub-burocracia da OEA, pretendem bloquear, em realidade, não é a obra em si, mas a condição brasileira de produzir mais energia limpa para prosseguir em seu projeto de desenvolvimento sustentável, inclusive na Região Amazônica. Significa demonstrar a capacidade nacional de conservar, administrar e utilizar as riquezas de um território que detém 11% de toda a água doce do globo, onde correm 12 mil rios que respondem por 16% de toda a água enviada ao marpelos rios do planeta”.

É isso mesmo. Delfim lembra que, levando em conta os rios, mais depósitos subterrâneos – como o aquífero Guarani – cada brasileiro tem uma quantidade fabulosa de água a seu dispor, 17 vezes mais do que a ONU considera a média confortável de consumo. Há uma guerra das ONGs estrangeiras contra o “pré-sal” renovável do Brasil: o bom uso da água.